Quem quer o telefone do posto de gasolina?

“Quanto mais consistente a intenção, mais forte a multiplicação das essências da marca. Isso é mágico, simbólico, sociológico e mercadológico.”

Marina Pechlivanis, especialista em Gifting, professora do curso se Gifting da ESPM

Uma clássica história que a velha guarda dos brindes conta é a do posto de gasolina do Ceará que comprou chaveiros para sua inauguração. Em uma época que representantes enviavam logotipos pelos correios e que os brindes levavam meses para chegar aos clientes, os chaveiros chegaram poucos dias antes da inauguração e, pasmem, chegaram com o telefone errado. Com a situação insustentável, o dono do posto mandou entregarem os chaveiros mesmo assim: Com o telefone errado. Só pediu para que os frentistas brincassem com o telefone errado na entrega:

“Como ninguém compra gasolina por telefone, colocamos o telefone errado. Não vai ligar pra cá, hein?”

O folclore do ritual de entrega dos chaveiros ficou tão grande que na segunda encomenda o dono do posto pediu para o vendedor não corrigir o erro.

“Estávamos no começo de uma temporada que não enxergávamos o fim, todo o cenário era incerto e naturalmente havia uma preocupação sobre como seriam os próximos dias do mundo. Buscando uma forma de trazer a leveza e cuidado para os nossos colaboradores, enviamos um kit cinema para que todos pudessem tirar um tempo com a família e relaxar. Junto encaminhamos dicas de filmes para todos os gostos e recebemos diversas fotos incríveis do nosso pessoal aproveitando esse tempo que estávamos todos em casa de uma forma divertida!”

Brenda Ferrigno, HR manager, Parebem

Durante a pandemia diversas empresas utilizaram nossa logística de ponta a ponta para entregar brindes para seus clientes, parceiros e colaboradores. A Parebem foi uma delas. O Gifting não tem a ver só com a forma que se entrega um brinde, mas também a história que se conta. A Parebem enviou um kit dizendo que tudo ficaria bem com um kit cinema para seus colaboradores curtirem um filme.

Novamente eu cito a Mariana Pechlivanis uma das maiores especialistas no tema no Brasil:

“O melhor impacto está na resposta que obtemos quase que de imediato: um sorriso, uma lágrima de emoção, um agradecimento, a lembrança depois de um tempo, retribuição do ato convertido em maior venda, maior recompra, maior fidelidade e defensores da seu serviço/produto/marca”

O pessoal do posto de gasolina transformou um erro numa história divertida e a Parebem se conectou com seus colaboradores em um momento que não podiam chegar perto deles.

A transformação das pessoas em defensores da sua marca está sempre ligada a uma boa história. Qual a história que você quer contar?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *